O PRECONCEITO FRUTO DA “INCAPACIDADE”?